Desperdício Mental

15 06 2007
Preciso comprar um gravador de voz.
Não precisa ser um equipamento isolado, pode ser um mp3-player com um microfone, ou um celular que grave mesmo (aliás, essa é a melhor opção). Motivo? Pela octagésima vez, hoje, pensei em temas interessantes para postar, enquanto estava no metro e andando na rua, e me esqueci quais eram. Um deles era sobre uma menina que passou no caminho cantando alto, e fazendo um monte de gente sorrir pelo caminho dela, o que ia ser um pedaço de um post sobre algo que eu estava pensando na hora, e vinha pensando desde o metrô, mas que eu esqueci o que era. E era um post legal, eu já estava até formulando frases engraçadas... Odeio perder esse trabalho intelecutal.

Já fiz um esforço para evitar esses desperdícios mentais: tento andar com um caderno e uma caneta na mão. Também já quase me matei no carro tentando escrever enquanto dirigia. Escrever andando também não é muito saudável. No metrô até rola, mas aí fica a questão: o que é mais estranho, pegar seu celular dentro do metrô e murmurar algo nele, ou abrir um caderninho e fazer anotações. Acho que das duas formas você fica com cara de pessoa metódica demais (ao ponto de parecer meio louco).
Bom, isso será uma das especificações do meu próximo celular, então se você me ver na rua com o celular na mão dizendo: "Nota: post para blog - blah blah blah", não se assuste, estou evitando desperdício e ajudando no meio ambiente da blogosfera.
Defined tags for this entry: , ,

Mais Sobre Universidade e Política

03 06 2007

Eu sei que estou ficando repetitivo, e que não costumo postar várias vezes sobre o mesmo assunto, mas anda difícil fugir dessa grande balbúrdia que está armada na minha faculdade.

Recebi um e-mail muito bom do Oshiro, que mostra bem o que a mídia está tentando fazer, se aproveitando da bagunça armada por alguns irresponsáveis (espero que sejam só irresponsáveis, porque senão estão sendo imorais).

Vão aqui alguns destaques, e na extensão do artigo vai a íntegra:

  • "Estou escrevendo porque se a revista Veja tem o direito de publicar uma reportagem que passa uma imagem negativa da USP, então eu tenho direito de mostrar números que contradizem o que foi dito"
  • Verba anual da USP: R$ 1.958.978.296,00

    Número de alunos de graduação: 80589
    Número de alunos de pós-graduação: 25007 (mestrandos: 12706 doutorandos: 12301)

    Fica óbvio que o custo de um aluno (seja ele de graduação ou de pós-graduação) é de: R$ 1.545,97/mês
  • É um custo alto? Sim. É exorbitante? Não.
    Vamos lembrar que estamos falando de cursos variados, desde um curso de Administração, que envolve basicamente aulas e palestras, até um curso de medicina, que necessita de um hospital inteiro para funcionar.
  • Argumento Principal: Com esse dinheiro, a USP faz muito mais do que dar aula para seus alunos. Aqui vai um resumo:
    • Cursos extracurriculares 604
      Participantes 29.203
    • Eventos científicos e culturais 8.450
    • Museus: 5
      visitantes: 1.140.873
    • Hospitais: 2 (com tratamentos gratuitos para a comunidade)
    • Escola de Aplicação
    • Estação Ciência, CEUMA, Cinema (CINUSP), Orquestra (OSUSP), Centro de Difusão Científica e Cultural, A Universidade e as Profissões, Universidade 3ª Idade
  • Isso sem contar a produção científica (dava pra gastar o orçamento da USP inteiro só nisso)



Continuar lendo "Mais Sobre Universidade e Política"


Greves e Ocupação

01 06 2007

Ok, eu podia ter escrito sobre isto antes, mas essas histórias de greve na usp me irritam de uma tal maneira, que tenho evitado até de pensar nisso.

Não tem sido difícil, porque, como é de conhecimento geral na comunidade uspiana, "A Poli não Pára".

Mas, as pessoas fora da USP às vezes me perguntam coisas, e eu me sinto na obrigação de estar pelo menos levemente informado.

Bom, minha opinião, este ano como nos outros é a mesma: um bando de pessoas nada sérias está no comando, e só isto já deveria ser o suficiente para ninguém mas apoioar esta balbúrdia.

Concordo que isto é um pouco radical da minha parte, então, para quem não tem vontade de colocar um princípio na frente de coisas mais mundanas, fui dar uma olhada nas ditas coisas, ou seja as reinvidicações dos meus colegas.

O Carro Chefe dessa greve/ocupação são os decretos do Serra (pelo menos oficialmente, veremos semana que vem isso). Então vamos lá, qual é o conteúdo desses decretos? Basicamente, a criação da nova secretaria do Ensino Superior, obrigação de prestação de contas em tempo real. O resto dos decretos não se aplica à Universidade.

Os últimos argumentos dos ocupantes da reitoria (que podem ser lidos aqui) são que a publicação dos decretos:

  • não constava do programa de governo de Serra, nem foi levantada em sua campanha eleitoral;
  • não houve discussões prévias com a comunidade uspiana;
  • sua necessidade para aprimoramento do ensino é das mais discutíveis no caso da USP, que estava mantendo a excelência de sua produção acadêmica e vinha expandindo vagas;
  • além de aparentemente desnecessário, o decreto continha graves lacunas e imprecisões, só sanadas com as alterações efetuadas depois da promulgação.

Ou seja: ninguém me avisou, eu não entendi, e agora que eu entendi não tenho nada contra a falar.

O que me leva de volta ao "pelo menos oficialmente". Já vi várias greves na USP, e todas elas se resumem às mesmas coisas: funcionários querendo aumento de salários, professores querendo melhoras na estrutura e aumento de salários, e alunos (principalmente moradores do CRUSP) pedindo melhoras na condição da moradia estudantil e nas faculdades "menos priorizadas" e aumento de salários. Quer dizer, não aumento de salários porque eles não ganham salário, mas se ganhassem estavam pedindo, pode ter certeza. Basicamente, as greves todas acabaram com (pasmem) um aumento de salários.

Alguém pode argumentar que o aumento de salários é uma causa justa para se fazer greve, e que a Universidade Pública tem que ser mais bem tratada. Concordo, tirando que, vários desses funcionários e professores que estão pedindo aumento de salários são, na verdade uns vagabundos (digo isso sem dó nem pena, porque dependo deles e convivo a 5 anos com eles) que vivem na vida mansa e nem sequer estão indo a piquetes, greves, assembléias e etc, e vão se aposentar e serão sustentados pelo resto da vida com nossos impostos.

A Universidade tem que ser bem tratada sim, e o melhor jeito é mantendo uma transparência e um controle externo, não intervencionista, mas questionador das políticas aplicadas dentro da Universidade, que é o que os decretos do Serra estão proporcionando.

Finalmente, para quem quer saber um pouco mais, pode entrar nesta página do Estadão, com um resumo sobre os decretos, e no Blog da Ocupação, para um pouco de hipocrisia matinal.

Defined tags for this entry: , , , , , , ,


Page delivered in 0.309633 seconds, 89 files included