Resumão de muito tempo sem postar direito

23 05 2006
Putz... eu só reclamo mesmo né. Olhei o blog hoje e vi que o último post decente foi o do dia do Fondu...Aliás, falando nisso eu resolvi adotar de vez a forma "Fondu" em vez de "Fondue", "Fondi" ou como eu já vi escrito em uma faixa "Fundi". Por que? Bom, porque quando eu falo Fondu eu penso em queijo derretido, que se escreveria fromage fondu em francês, e não fondue (fromage, como queijo, é masculino). Continuando esse encadeamento sem sentido de idéias, isso me lembrou de uma coisa engraçada em italiano: ovo e ovos têm gêneros diferentes! Sim! Un uovo, due uova! É como dizer um ovo, duas ovos... Vai entender. Tem outras palavras assim em italiano, mas não me lembro de nenhuma agora. Ok, fora reclamar, tomar chá, usar poncho e fazer reflexões linguísticas inúteis, o que eu fiz essas semanas? Várias coisas. O problema é que as coisas interessantes não podem ser contadas aqui, e as coisas chatas... bom, vou contar as coisas chatas então (ninguém lê posts desse tamanho mesmo!). Então vamos lá: Duas semanas atrás comecei a trabalhar no BNP Paribas. Belo de um prédio, todo mundo arrumado e de terno (tenho umas palavrinhas sobre terno, mas vou deixar para proferí-las em um dia que eu esteja realmente usando um). Nosso andar está em reformas, e mesmo assim é mais arrumado que todos os lugares que eu já tinha trabalhado antes! Mas a princípio eu não estava me sentindo bem lá. Estava me sentindo meio desconfortável com a roupa, deslocado no meio de tudo muito certinho, e muito inútil, porque as pessoas que tinham que me passar trabalho estavam muito ocupadas, então eu tinha que ir atrapalhá-las quando acabava o que eu estava fazendo, e isso não é muito legal. Bom, sexta-feira passada consegui acabar alguns serviços que estavam pendentes, e as coisas pareceram melhorar, e também bati mais papo com as pessoas, e parece que estou me acostumando. Esse assunto está longe de ser fechado na minha cabeça, então ainda vai ter muito pano pra manga aqui nesse blog sobre o Estágio no Banco. Aí veio a semana de provas, com sua habitual bagunça geral de horários e anarquia generalizada. Isso sem contar o PCC que resolveu cancelar uma das minhas provas. Os boatos rolavam que um professor estava mantendo outro refém por melhores condições nas prisões e aumentos maiores que 0% (que convenhamos, é "praticamente nada"). Ridículo. Next, aconteceram as coisas legais, que como eu disse, não vou citar aqui. Mas para quem sabe do que eu estou falando, todas as coisas legais que eu estou citando foram legais. Eu não estou arrependido de nenhuma, porque, afinal, nesses dias complicados nós temos de aceitar sermos contentes. Ser alegre é uma característica, não se muda isso, e ser feliz é algo que não podemos nos dar o luxo de querer. Sejamos contentes, então, com o que der e vier, e bola pra frente. E agora, depois dessas semanas conturbadas, como vão as coisas? Bom, elas estão entrando de volta da rotina (espero), e eu estou já preparando novas encrencas. Por exemplo, vou dar outra festinha aqui em casa, dessa vez menos chique que o Fondu, mas provavelmente pra mais gente. E a encrenca é que quero tentar voltar a tocar até o dia da festa. Já tenho algumas músicas que eu estou cobiçando, entre elas alguns pedidos, e, entre as que eu mesmo quero tocar estão:
  • When The World Ends (Dave Matthews Band) - vou ter que fazer um arranjo
  • Dancing Nancies (Dave Matthews Band) - lembro que essa doia a mão de tocar... imagina agora que eu to sem prática... ai
  • Longe Demais (Vanessa da Mata) - fazendo algumas adaptações na letra, mas não sei se consigo tornar ela interessante cantando... talvez poderia tentar convencer alguém a cantar...
  • I know (Jack Johnson) - acho que é mais sussa... mas talvez não fique tão legal tocar igual a ele num violão de cordas de nylon...
Bom, acho que isso por si só já é BEM megalomaníaco (considerando que minha média de sono tem sido algo como 5 horas por noite contando fins de semanas), mas bom, tenho que voltar a tocar uma hora né? Ai ai... to ferrado amanhã, acordar vai ser um parto... mas ainda vou imprimir as letras/cifras das músicas acima por que senão eu não começo nunca a tocar.

Dias Corridos

23 05 2006
Caramba... como as coisas andam corridas? Será por causa do estágio, empresa, faculdade, inciação científica, artigo para escrever, associação e rolos pessoais?

Poncho+Chá

17 05 2006
Poncho+Chá Carregado no Flickr por Pedro Angelini.

Pois é... hoje tá friozinho

Por isso, dessa vez estou preparado para uma noite de pouco sono. Isso está ficando mais comum do que eu gostaria (principalmente porque o pouco sono é resultado de muito trabalho, e não diversão).

Mas é isso que dá querer abraçar o mundo, não? Como eu sempre digo: seria chato se fosse menos intenso.


Arrumação

14 05 2006
Uma semana é muito tempo. Chega dessa bagunça, vou começar a arrumar as coisas, começando por essas pilhas de papéis aqui no meu quarto.Bagunça no meu quarto Me desejem sorte...

Um Bom Final de Semana

08 05 2006
[diario]

Opa! Feeling Good!

Este final de semana as coisas deram bastante certo. Começou na sexta-feira, quando liguei para o pessoal para confirmar quem vinha na festinha aqui de casa. Mais a noite fui comprar o pão para o fondue de queijo, para ele estar amanhecido no sábado e ficar melhor para espetar e comer.

Mercadão, visto de cima

Sábado foi divertido. Acordei cedo para ir ao centro fazer compras com o Julio. Primeiro Sta. Efigênia, comprar um HD novo para colocar um número muito crescente de fotos tiradas com a máquina digital, e também material de rede de computadores para a casa do meu tio aqui do lado. Ok, tudo comprado, fomos ao Mercado Municipal comprar os queijos. Lá aproveitamos para almoçar o famoso sanduiche de 250 g de mortadela, e tomamos também os famosos dois Chop paulistas.

Dois sanduiches e dois Chop

A tarde voltamos para casa para arrumar as coisas. Eu convidei basicamente o pessoal da sala do 1º ano da Poli, e as pessoas que andavam conosco naquela época. Todo mundo se atrasou, mas no final deu tudo certo (apesar da máxima "Timing é tudo" e de eu ter errado o timing). Não vou colocar detalhes sobre o decorrer da festa, pois acho que as fotos dizem tudo. Só vou colocar alguns números:

  • 1,2 kg de queijo, entre Gruyere, Emental e Gouda
  • 2 rechauds, para fazer 3 receitas de fondue
  • 4 pães italianos, dos quais somente 2 foram consumidos na festa
  • 4 litros de refrigerante
  • 11 taças de vinho no começo, 10 no fim (sim, uma das taçonas sofreu uma queda)
  • 7 garrafas de vinho, ou seja, quase meio litro por pessoa (se bem que eu acho que eu tomei mais que uma garrafa, dada a ressaca no dia seguinte)
  • 109 fotos e 6 filminhos, a maioria tiradas pelo Vitor, das quais 50 foram para o Flickr
  • 5h30: quando os últimos convidados foram embora, o Julio foi dormir e eu fiquei achando que a casa estava meio vazia demais...

Estou realmente orgulhoso de termos tomado mais vinho que refrigerante, apesar de eu estar achando que deveria ter comprado mais bebidas adocicadas para os que não bebem.

Em números, portanto a festa foi um sucesso. Foi muito bom rever o pessoal junto também. Eu tinha me encontrado com quase todo mundo últimamente, mas não todo mundo junto.

Ataque

Acabando o final de semana, domingo acordei umas 10 horas com a casa toda pra arrumar, e um monte de louça pra lavar (sem falar na ressaca). Com a ajuda do Julio (também conhecido como JC depois da festa), colocamos tudo em ordem até umas 2h30. Depois ainda ajudei meu tio com a rede dele, que por sinal deu certo no fim das contas, e o dia já estava acabando...

Fica uma boa lembrança, e a promessa de outras festinhas dessas, quem sabe uma vez por mês!


Um dia comum

04 05 2006
Um dia comum Carregado no Flickr por Pedro Angelini.

Pois é... ontem eu fui de novo ao BNP, dessa vez conversar com o RH. Resultado: começo na terça-feira!

Agora preciso comprar ternos....

Essa foto do post é uma placa que está no caminho entre o BNP e USP, perto do Shopping Eldorado. Divertido, não?


Turning Point?

28 04 2006
[diario]

Hmm... tenho omitido este assunto aqui do blog, e agora resolvi postar algo aqui. Amanhã vou para a minha terceira "visita" ao BNP Paribas só esta semana, para a terceira fase de uma seleção para uma vaga de estágio lá.

Além de estar indo fazer a entrevista amanhã, o que já é bastante enervante (se diz isso?), ando ainda meio preocupado com mais alguma coisa sobre este emprego... Será o fato de eu estar ativamente escolhendo dar menos prioridade aos projetos que eu já estou tocando (por exemplo, a Imaginarie)? Deve ser também porque isso é uma coisa muito nova pra mim, a de trabalhar em um lugar onde todo mundo usa gravata e os números, em vez de ter "Mega" ou "106", tem "milhões" escrito depois.

De qualquer forma, ainda tenho que passar pela última fase, que, me parece, vai ser uma entrevista. A primeira fase foi uma entrevista em grupo, com mais dois candidatos, a segunda foram uma prova de Power-Point e Excel. A moça do RH me disse que eles estão entre 3 pessoas, incluindo a mim. Eu tenho a impressão que eles não iriam para a última fase sem ter uma boa idéia de quem vão escolher. Mas eu também faria a última fase com 3 pessoas, porque, vai que alguém desiste, eu gostaria de contratar alguém que pelo menos passou pelas 3 fases.

Portanto eu poderia ficar menos nervoso e pensar que isso já está decidido, e que eu não tenho muito o que mudar. Pena que isso não funciona, e eu penso que mesmo que os caras já tenham escolhido (e não seja eu), ainda dá pra impressionar eles o suficiente para eles mudarem de idéia.

Ai ai... só espero que o salário seja bom... hehe (pensar positivo nunca atrapalha)


Mais uma do flickr: grupos com fotos muito legais:

  • Grupo da USP - ainda pequeno, mas pretendo contribuir nele e estou fazendo propaganda
  • Grupo São Paulo
  • Fotos mais interessantes com a tag lightning (raios)
  • Grupo 1-2-3 B&W - os grupos 123 são assim, pra cada 1 foto que você manda, você deve comentar 2 e ver 3. Este é o de fotos pretas e brancas
Outra coisa: acho que vou começar a fazer meu flickr ficar bilíngüe, pra entrar de vez na comunidade (que na maioria fala inglês)

Viciei no Flickr!

27 04 2006
Cidade nas Montanhas Carregado no Flickr por Pedro Angelini.

Nossa, esse programa é muito legal. Vou passar muitas fotos para cá. Por enquanto vai algumas tiradas com filme preto e branco no Peru, no ano de 2004. Também coloquei algumas fotos do pessoal da Poli por lá.


Fotos!

25 04 2006
[flickr]
Central Park e NY skyline

Uffff.... acabei de colocar as fotos no Flickr e organizá-las. Para quem for ver então, aqui vai uma lista de coisas interessantes para se ver.


MEGAPOST

23 04 2006
[eau2006]

Muito atrasado, eu estou começando a colocar aqui os diários dos Estados Unidos que faltam. Este em particular eu escrevi no trem, de Savannah para Deerfield Beach (sim, a praia do campo do veado), que é onde moram minha tia, tio e primos.

Washington DC - dias 5 e 6.

Tivemos uns dias bem cheios, por isso me atrasei bastante nos relatos diários. Bom, aqui vão. Estou escrevendo do no trem de Savannah até Deerfield Beach, que é perto de Miami, e onde minha tia mora. Esta é nossa última viagem de trem por aqui, acho.

Chegamos em Washington DC na terça feira, lá pela hora do almoço. Pegar o trem foi tranqüilo e nossos lugares eram muito bons. Tudo ótimo. Fomos para o hotel, que na verdade se chama Georgetown Suites. Fica em um bairro residencial, mas que tem muitos restaurantes, hoteis e bares. Nosso quarto, era o que eles chamam de Suite aqui, com um quarto de dormir, uma sala com sofá-cama, banheiro e uma cozinhasinha, acho que é o que chamamos de "flat" ai no Brasil. Chique

Saímos mais tarde pra passear, cansados como estávamos do dia anterior em NY e da viagem, e vimos os principais pontos turísticos: Casa Branca, Reflecting Pool, Monumento a George Washington, etc. Voltamos ao hotel e comemos uns pratos de comida pronta (daquelas de microondas) e fomos dormir.

No dia seguinte, nem imaginávamos o que nos esperava. Tínhamos que fazer check-out até o meio dia, mas nosso trem só saia às 7:30 PM, então deixamos nossas malas no hotel e fomos passear de novo. Vimos a Galeria Nacional de Artes, muito bonita e muito grande, e depois fomos almoçar. Pegamos as malas e fomos de taxi para a estação de trem. Foi ai que o pesadelo começou.

O Pesadelo - viagem de Washington DC até Savannah

Quando chegamos para despachar nossa bagagem, recebemos com muita supresa a notícia que se resumiu no seguinte curto diálogo:

- Your train's not running today. - What?! - Yeah, it's been canceled. - What??!?!
Bom, o que aconteceu, aparentemente, é que a compania de trem teve problemas em uma ponte, ou, outra versão, foi que um muro tinha desabado sobre os trilhos, e por isso não havia trens na linha inteira. Bom, ficamos então com a junção das duas versões: um muro desabou sobre uma ponte no nosso caminho! Ta bom, isso não faz muito sentido, mas tb não faz sentido cancelarem uma linha inteira de milhares de quiômetros por causa de um só trecho...

Ok, então o que fazer? Nosso hotel em Savannah já não podia mais ser cancelado sem pagarmos as taxas. Nós pegamos nosso dinheiro de volta e fomos para a estação de ônibus. Antes tivessemos ficado mais um dia em Washington...

Pra começar, a correria de pegar o dinheiro de volta e comprar as passagens. Fomos os últimos a entrar no ônibus, que não tem lugar marcado, então ficamos em lugares espalhados. O Julio deu a "sorte" de sentar do lado de um folgado que ficou pedindo doces pra ele e depois passou a pedir dinheiro. Pra verem o tipo de pessoa que viaja de ônibus aqui nesse país.

Mas isso foi fichinha perto do que passamos na primeira parada.

Nosso ônibus pegou muito trânsito por causa de um "BIG ACCIDENT" em uma rodovia, e ficamos parados 2 horas quase no mesmo lugar, em um trecho da viagem que deveria durar 2 horas! Por causa disso, perdemos nossa conexão com outro ônibus (sim, não existe ônibus direto longa-distância nesse país). Como isso aconteceu com muitas pessoas, a estação de ônibus ficou muito lotada. Chegamos nela lá pelas meia noite, e nosso ônibus ia sair às 3 horas. Fizemos fila logo para pegarmos bons bancos e sentarmos todos juntos. Mas quando foi dando 2 horas da madrugada, o pessoal começou se amontoar perto da porta e a querer passar na nossa frente. Ai começou um empurra-empurra desgraçado que só acabou quando conseguimos entrar. No meio dessa bagunça, uma gorda folgada com uma bolsa de couro vermelha gigante ficou pelo menos 45 minutos me empurrando, e quando estavamos na porta, um outro gordo passou mal e quase desmaia em cima de mim! O Julio também foi esmagado e quase caiu uma hora, o que seria pisoteamento na certa e minha mãe quase não consegue levar a bolsa de rodinha que ela estava cuidando.

Momento de recordações raivosas:

Esses americanos são muito burros quando qualquer coisa sai do "standard" deles. A estação lotou e não teve um puto pra formar uma fila direito. Em vez disso, eles todos ficaram do lado de fora, com uma cara de que estavam fazendo o trabalho deles e que-se-foda. Quando o cara passou mal atrás de mim, eu pedi por ajuda e só faltou o cara da empresa de ônibus rir da minha cara, até perceber que eu tava falando sério. Queria ver alguma coisa realmente ruim acontecer pra ver a cara daquele ***.

...fim do momento de recordações raivosas.

Bom, no fim das contas conseguimos pegar ônibus e sair quase 4:00 AM de Richmond, que foi onde tivemos que trocar de ônibus. Finalmente chegamos a Savannah, ja era mais de meio dia, então, fazendo as contas, ficamos quase 18 horas viajando muito desconfortavelmente pra dizer o mínimo. Deu pra ver como estamos anos-luz à frente deles no que diz respeito a direitos do consumidor. O máximo que as pessoas conseguem pensar aqui é "get my money back", sendo que qualquer um no Brasil estaria pensando em pegar o dinheiro de volta, conseguir que a empresa pagasse um hotel, ou mesmo que a própria empresa de trem organizasse as viagens de ônibus, ou levasse os pssageiros o mais perto que ela pudesse do seu destino original. E eu acho que a ponte que deu problema nem era entre Savannah e Washington DC...

Ficam os conselhos:

SEMPRE confirme sua passagem antes de fazer check-out do hotel - se tiver problemas voçê pelo menos garante local pra dormir

NUNCA pegue ônibus entre cidades nos EUA, a não ser que isso seja extritamente necessário. É tão caro quanto o trem e é muito ruim, bem pior que no Brasil. Alugue um carro ou vá de trem ou avião.

Bom, pra acabar a odisséia, Savannah é uma cidadesinha sem nada pra se fazer. É um porto histórico e parece que tem uns Pubs a noite, mas cansados como estávamos e tendo que pegar outro trem no dia seguinte às 6:40, não tínhamos condições de sair a noite... Demos uma volta, voltamos para o hotel e fomos dormir 8 horas da noite.

Hoje estamos vamos ficar o dia inteiro no trem, indo de Savannah até Deerfield Beach, onde mora minha tia, perto de Miami.

O trem, como eu já disse, é em confortável, pelo menos. Não tem serviço de "aeromoça", mas tem vagão restaurante. Acho que vai ser bem sossegado, e vai ter poucas fotos, então não vou ter muitas notícias. Na verdade espero que não tenha muitas notícias mesmo, e que seja uma viagem tranqüila. Chegando na casa da minha tia vou tentar colocar esse texto na internet, junto com as últimas fotos.

Versão Real do que aconteceu:

Primeiro: nosso trem foi cancelado por causa de ufos mexicanos, que acidentalmente teletransportaram-se da Cidade do México para uma ponte. Vimos sobre ufos mexicanos na TV um dia antes, e essa história de muro caindo em cima de uma ponte não engana ninguém.

Segundo: Quando estávamos na estação de ônibus, antes de ela se superlotar, um dos operadores anunciou um código. Foi mais ou menos assim: - All operators, code 405, code tchh** Fourrr OOOOh Fiiii.... hhhaaahhh (estática) Descobrimos, por indução, mais tarde que o código 405 é o código de evacuação da cidade para ataques de zumbis. Tendo assistido Madrugada dos Mortos, nós sabemos que não dá pra fugir dos zumbis a pé, pois uma mordida te transforma em zumbi também, por isso toda a população daquele fim de mundo foi para a estação de ônibus, e esperava a evacuação. O cara que quase desmaiou atrás de mim, na verdade tinha sido mordido e estava se transformando, mas, dado seu tamanho muito avantajado (eu digo MUITO AVANTAJADO) ele resistiu o suficiente, e com certeza foi usado de isca para manter longe dos portões os zumbis em quanto saíamos.



Page delivered in 0.316518 seconds, 89 files included